Social Icons

sábado, 25 de abril de 2009

CAAPEBA (Pothomorphe peltata (L.) Miq.)

Nome científico
Pothomorphe peltata (L.) Miq.

caapeba_03 

Fotos ampliadas
1 | 2 | 3

Família
Piperáceas

Sinonímia popular
Capeba, caapeba-do-norte, catajé, malvarisco, caapeba cheirosa, pariparoba. guaxima.

Sinonímia científica
Pothomorphe umbellata (L.) Miq.

Parte usada
Raiz, folha, caule, sementes

Propriedades terapêuticas
Diurética, desobstruente, emoliente, resolutiva, tônica, estomáquica, sudorífera, febrífuga, antipirética, antipiléptica

Princípios ativos
Óleo essencial, substâncias fenólicas, esteróides, mucilagens, pigmentos, apiol

Indicações terapêuticas
Moléstias das vias urinárias, afecções das vias respiratórias,escorbuto, escrofulose, resfriado, leucorréia, úlcera, sífilis, doenças gástricas,, pleurisias, tumores, furúnculos, fígado, vesícula, baço, amenorréia, dispepsia, menstruação


Informações complementares

Outros sinônimos científicos

  • Piper umbellatum L.
  • Heckeria umbellata (L.) Kunth.
  • Lepianthes umbellatum (L.) Raf.
  • Peperomia sidaefolia A. Dietr.
  • Peperomia umbellata (L.) Kunth.
  • Piper dombeyanum C. DC.
  • Piper peltatum Ruiz & Pav.
  • Piper sidaefolium Link & Otto.
  • Piper umbelattum L.
  • Piper umbellatum var. majus C. DC.
  • Pothomorhe alleni Trel.
  • Potomorphe dombeyana Miq.
  • Potomorphe sidaefolia Miq.

Outros nomes populares
Capeua, aguaxima, caapeba-verdadeira, malvaísco, caena, capeva, catajé, lençol-de-santa-bárbara.

Origem
Brasil, ocorrendo nos estados de São Paulo, Minas Gerais, Espírito Santo e sul da Bahia.

Uso medicinal
Com suas propriedades emolientes e desobstruentes, as folhas da caapeba promovem a cura de moléstias das vias urinárias, do escorbuto, escrofulose, resfriados, leucorréias, úlceras, sífilis e doenças gástricas.

As cascas em decocções atuam contra as afecções das vias respiratórias.

Em uso externo, as sementes agem beneficamente nas pleurisias, servindo ainda como maturativas nos tumores e furúnculos. As raízes funcionam como febrífugas, sudoríferas, diuréticas e estomáquica, combatendo as doenças do fígado, vesícula e do baço.

Tanto na homeopatia como na alopatia, ela é recomendada no tratamento da sífilis, leucorréias, amenorréias, úlceras e dispepsias.

Um estudo farmacológico com ratos confirmou sua atividade antimalárica sobre Plasmodium berghei, tanto via oral como subcutânea.

Num outro ensaio provou-se a ausência de atividade mutagênica desta planta.

No seu extrato encontrou-se alta atividade antioxidante. Num estudo fitoquímico com esta planta isolou-se e identificou-se o composto nerolidycatechol.

Das folhas foram isolados os apióis Dill e Parsley. O apiol tem sido usado para combater a febre e regular a menstruação.

Dosagem indicada
Estimulante das funções (estomacais, hepáticas, pancreáticas e do baço), diurética
Em 1 xícara (chá), coloque 1 colher (chá) de raízes picadas, 1 colher (chá) de folhas picadas e adicione água fervente. Abafe por 10 minutos e coe. Tome 1 xícara (chá) de manhã em jejum e outra antes do almoço.

Debilidade orgânica, estimulante das funções (estomacais, hepáticas, pancreáticas e do baço)
Coloque 2 colheres (sopa) de raízes e folhas picadas em 1 garrafa de vinho branco e coe. Deixe em maceração por 8 dias e coe. Tome 1 cálice antes das principais refeições.

Afecções das vias respiratórias (tosses e bronquites), febres
Coloque 1 colher (sopa) de folhas e caules picados em 1 xícara (café) de água em fervura. Desligue o fogo, espere amornar e coe. Adicione 2 xícaras (café) de açúcar cristal. Leve novamente ao fogo brando até dissolver completamente o açúcar. Tome 1 colher (sopa) de 2 a 3 vezes ao dia. Para crianças dar somente metade da dose.

Maturação de furúnculo, queimaduras superficiais, dores de cabeça, reumatismo
Lave muito bem, enxágüe e fatie 1 folha fresca. Coloque em um pilão e amasse bem. Espalhe em um pano e exponha ao vapor da água em fervura. Espere amornar e aplique, ainda morno, sobre o local afetado, na forma de cataplasma, 2 vezes ao dia.

Pleurisias, abscessos, furúnculos
Secam-se as sementes e reduzem-se a pó. Este pó , misturado com óleo de linhaça, dá bom resultado na pleurisia. Aplica-se em forma de cataplasma nas costas e região dos pulmões.

Queimaduras
Suco das folhas para aplicação tópica.

Curiosidade
O nome indígena significa Caa (folha) peba (larga)

Observação
Outras plantas são conhecidas pelo Brasil como caapeba, com características diferentes (clique aqui para saber mais). Por isso é bom certificar-se de que espécie se trata realmente, para se fazer o uso correto. Não faça automedicação, tenha sempre um acompanhamento médico.

Bibliografia

  • Plantas que curam - Sylvio Panizza
  • Plantas Medicinais - Cid Aimbiré de M. Santos & Kátia Regina Torres & Rubens Leonart
  • As Plantas Curam - A. Balbach
  • Plantas que Curam - Editora Três
  • Plantas Medicinais no Brasil - Harri Lorenzi & F.J. Abreu Santos
  • Plantas que Ajudam o Homem - Dr. José Caribe & Dr. José Maria Campos

Outras plantas conhecidas como "caapeba"

Existem a caapeba, a caapeba cheirosa e a caapeba do norte. A caapeba, planta brasileira (Piper umbeellatum, Lineo), uma Piperiácea é também conhecida como pariparoba, guaxima e cientificamente como Piper peltastum/P. macrophyllum.

Ocorrem no Nordeste, principalmente Bahia, Pernambuco e Alagoas. É um arbusto lenhoso com caule enosado e folhas grandes, aromáticas, pontiagudas e pecioladas. Suas flores aparecem em espigas e os frutos são pequenos como as folhas.

As raízes são usadas externamente em hidropisias e uteropatias. Empregam-se as folhas em chá para problemas do fígado e das vias urinárias e a casca, em decoto, é útil para cessar tosses e curar bronquites. Há quem ainda as use para sífilis, leucorréia, úlceras e para diminuir as menstruações.

Colaboração
Luiz Carlos Leme Franco, Médico Fitoterapêuta, Professor (Curitiba, PR)


Para identificar uma espécie, temos que ver o exemplar para a correta identificação através de literatura especializada. Nome popular varia de região pra região. Ocorrem várias espécies de plantas com o nome popular "caapeba", a saber:

Nome científico: Cissampelos glaberrima

Família: MENISPERMACEAE

Nome popular: cipó-de-cobra, erva-de-nossa-senhora, caapeba

Vegeta em estados do NE do Brasil, principalmente Bahia, Pernambuco e Alagoas. Planta trepadeira. Folhas redondas, peltadas, glabras, quase sésseis. Flores em cachos, recortadas na margem. Não se deve confundir esta planta com a pariparoba.

Propriedades medicinais: usa-se para dispepsia e afecções das vias urinárias e asma. Há muito tempo vem sendo utilizada como diurético e diaforético tendo aplicação, inclusive, nas febres intermitentes. Em alguns lugares também se emprega contra as picadas de cobra.

Parte usada: raiz, por decocção.

Nome científico: Pothomorphe umbellata

Família: PIPERACEAE

Nome popular: caapeba

Uma planta muito comum na zona rural, encontrada principalmente em locais úmidos e sombreados. Esta planta forma touceiras que podem cobrir áreas extensas, principalmente quando encontra condições edafoclimáticas adequadas.

Planta da família das Piperaceae, se caracteriza por inflorescência do tipo de espigas, com pequenas flores de cor amarelada produzindo uma infinidade de sementes. Estas sementes caem ao solo às centenas e vão aos poucos tomando conta de toda a vizinhança. Mesmo em locais não tão sombreados onde cultivamos nossas caapebas, a quantidade de plantinhas novas que surgem ao redor das touceiras é muito grande. As folhas são grandes, no formato de um coração, lembrando também um pouco o próprio fígado na sua aparência e consistência, medindo de 15 a 23 cm de diâmetro.

A planta se caracteriza por ser um arbusto de caule ereto, muito ramificado e com nós bem salientes. Encontramos vegetando em vários estados, desde a Bahia até o estado de São Paulo.

A medicina popular praticamente utiliza a planta toda, inclusive já é uma planta industrializada, existindo um laboratório no estado de Minas que produz o famoso Elixir de Caapeba.

Ela possui uma boa ação diurética e podemos utilizar suas raízes, preparando uma colher de chá de raízes picadas para uma xícara de água fervente. 

Nome científico: Piper marginatum

Família:PIPERACEAE

Nome popular: caapeba

Não se auto-medique. As informações aqui constantes tem caráter meramente cultural e a própria Internet como base de pesquisa.

Colaboração
Rosa Lúcia Dutra Ramos, Bióloga (Porto Alegre, RS)

Fonte: ci-67.ciagri.usp.br/pm

0 comentários:

Postar um comentário